Especial – Educação e Inovação para Sustentabilidade (parte 1)

Especial – Educação e Inovação para Sustentabilidade (parte 1)

Educação e Inovação para a Sustentabilidade
A cada ano a Universidade de Harvard forma cerca de 7000 profissionais. Da melhor instituição de ensino do mundo, segundo a publicação britânica “The Times Higher Education Supplement”, a maioria deles segue para os mais altos cargos das organizações públicas e privadas onde suas decisões vão produzir impactos na vida de milhões de pessoas. Por seus bancos já passaram gente como Al Gore, David Rockefeller e George W. Bush. Uma breve análise da trajetória de personalidades com perfis e valores tão distintos revela, sobretudo, que a educação formal pode não ser o aspecto mais importante na formação de um indivíduo.
Em se tratando de sustentabilidade, tornou-se lugar comum afirmar que as instituições de ensino não têm preparado profissionais em quantidade e com competências suficientes para enfrentar os desafios globais da sustentabilidade. Prova disso é que os mais brilhantes cérebros da atualidade não têm conseguido desenvolver modelos econômicos, políticos e científicos eficientes para a solução de questões complexas como o aquecimento global e desigualdade.

David Orr, professor de estudos ambientais e políticos da Universidade de Oberlin, nos Estados Unidos, e lança luz sobre essa questão ao defender que a crise da biosfera é um sintoma da prévia crise de modelos mentais, percepção e coração. “A educação não é amplamente considerada como um problema, a não ser a falta dela. A sabedoria convencional reforça que toda educação é boa e quanto mais se tem melhor. A verdade é que sem as devidas precauções, a educação pode formar pessoas simplesmente para ser vândalos mais eficazes da Terra”, ressalta o autor do livro “Earth in Mind: On Education, Environment, and the Human Prospect” (“Terra em mente: na educação, meio ambiente e perspectiva humana”, sem tradução para o português)
Jane Nelson – diretora do centro de iniciativa para responsabilidade social empresarial da Universidade de Harvard

 
Segundo Jane Nelson, diretora do Centro de Iniciativa para Responsabilidade Social Empresarial da Universidade de Harvard, o sistema formal de ensino não tem evoluído na mesma velocidade com que ocorrem as mudanças na sociedade. “Há cerca de seis anos, o aquecimento global não tinha o destaque de hoje. Foi só nos últimos dois anos que o mundo acordou para o problema. No entanto, a maioria das universidades ainda não dispõe de programas de pesquisa e aulas voltadas para as mudanças climáticas. Não há especialistas suficientes para dar conta dessa tarefa porque se trata de um campo totalmente novo. Cientistas, políticos e empresários estão tendo que aprender à medida que trilham o caminho”, ressalta Jane.
No entanto, o abismo entre o saber produzido na academia e as necessidades da sociedade não chega a ser exatamente um fenômeno novo. Segundo Cláudio de Moura Castro, presidente do Conselho Administrativo da Faculdade Pitágoras, há apenas 200 anos alguém afirmou que a universidade tinha que lidar com questões práticas. “A Universidade Humboldtiana foi a primeira tentativa de uma instituição de ensino manipular questões práticas. De lá para cá, tem havido progresso, mas lento. As pessoas percebem a necessidade de enfrentar os problemas da sociedade, mas o seus valores e hábitos são para lidar com coisas não necessariamente muito práticas. Há uma tensão interna dentro da universidade que vem da sua origem, como instituição teológica, pouco afeita, portanto, ao mundo prático”, ressalta Castro.
As instituições de ensino não estão sozinhas nessa jornada. Formar profissionais capacitados para enfrentar os desafios da sustentabilidade é uma tarefa a ser compartilhada com as empresas. No entanto, há uma confusão acerca do papel de cada um desses segmentos da sociedade e sobre como eles podem unir esforços na formação dos indivíduos, segundo Ricardo Young, presidente do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social.
“As organizações entendem que precisam ser espaços de aprendizado permanente, produtores de saberes e de inteligência. Por isso, criam suas universidades corporativas. Do outro lado, as instituições de ensino refletem sobre a sua função na sociedade e chegam à conclusão de que precisam formar pessoas para o mercado. Aí o que elas fazem? Tecnicizam a educação e repassam a alma para a segunda ou terceira prioridade no processo educacional. Assim, temos um belo diálogo de surdos e mudos: empresas que querem aprender, buscando emular o papel da universidade e universidades que querem servir ao mercado emulando empresas e se despindo da sua função tradicional e educadora”, contextualiza Young.
 
No livro “Higher education and the challenge of sustainability” (Educação superior e o desafio da sustentabilidade, ainda sem tradução para o português), Peter Blaze CorcoranArjen E.J. Wals defendem que a sustentabilidade, mais do que assunto adicional para ser acrescido ao já sobrecarregado currículo, representa a oportunidade de abertura para uma visão diferente das disciplinas, da pedagogia, da mudança organizacional e, particularmente, da ética.
Jane Nelson, de Harvard, endossa a opinião dos dois autores. “As universidades e empresas devem criar um sistema de ensino que favoreça a compreensão dos sistemas globais, desenvolva o pensamento sistêmico e a capacidade de reconhecer, identificar e valorizar a interdependência. Esse sistema precisa estimular o empreendedorismo, a inovação, a liderança e a convergência de saberes entre os diferentes segmentos da sociedade”, ressalta.
Transformação de modelos mentais
Como desencadear esse processo de mudança no ritmo exato com que se apresentam os desafios relacionados à sustentabilidade constitui um grande dilema para pesquisadores, especialistas e empresas.
Em busca de respostas, um grupo de pesquisadores da Society for Organizational Learning (SOL), entrevistou líderes de diferentes segmentos para saber que fatores determinara, de modo específico, o seu aprendizado. A organização foi fundada pelo consultor Peter Senge, o famoso guru da gestão do conhecimento, como forma de dar continuidade aos trabalhos de aprendizagem organizacional iniciados no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).
As conclusões desse estudo resultaram no livro Presença – Propósito humano e o campo do futuro escrito a oito mãos por Peter Senge, Otto Scharmer, Joseph Jaworski e Betty Sue Flowers. Os especialistas perceberam que as grandes descobertas eram quase sempre conseqüência de um momento de introspecção e ruptura com padrões e pensamentos pré-concebidos.
“Após uma bateria de 150 entrevistas com executivos, pesquisadores e cientistas chegou-se á conclusão de que os grandes insigths de inovação na vida dessas pessoas estavam relacionados a um exercício radical de autoconhecimento e percepção, tarefa para a qual precisaram abrir mão do que já sabiam. Da sensação de colocar-se disponível surgiram novas formas de ação, novos produtos e abordagens para a própria empresa ou para uma teoria científica”, explica Maria Cristina d’Arce, coordenadora da Society for Organizational Learning Brasil.
Juntos, os autores criaram a chamada Teoria U que propõe uma fonte mais profunda de aprendizagem associada à capacidade de “presenciar”, isto é de sentir, de perceber intimamente e de se integrar ao objeto proposto pela mudança. Essa habilidade decorre de um estado de mente, coração e vontade francamente abertos para a possibilidade de aprender não apenas usando a experiência anterior mas a construção prática de uma visão de futuras.

“A transformação dos modelos mentais está na essência da Teoria U. Ela sugere o mergulho em um espaço muito profundo de percepção e a abertura para o futuro que deseja emergir. Isso não é exatamente o que está no modelo mental, mas sim algo que decorre das descobertas proporcionadas pelo movimento de descida do U”, afirma Cristina d’Arce. Na opinião dos criadores da Teoria U, enfrentar os desafios atuais exige das pessoas uma parada para “fazer download” de antigos padrões. Isso significa deixar de reafirmar julgamentos habituais para desacelerar e aprender a escutar de forma mais profunda, aberta e coletiva, a fonte suprema de toda a grande liderança – sua autoconsciência e autoconhecimento.
Maria Cristina D’Arce -coordenadora da Society for Organizational Learning Brasil
“Em um mundo complexo, no qual a colaboração intersetorial e a inovação constituem fatores de sobrevivência, não existe liderança possível se não houver um profundo processo de autoconhecimento”, concorda Young, do Instituto Ethos. A grande novidade da teoria não está, como pode parecer, no processo de introspecção individual, bastante comum nas diferentes tradições, mas na apropriação coletiva do objeto da mudança para alcançar a inovação social. Segundo Cristina, esse processo costuma se observar nas jornadas de aprendizagem, em que grupos de pessoas são convidados a refletir sobre uma determinada questão, tomando contato com a realidade e buscando respostas a partir de experiências e descobertas conjuntas.
“A mesa do escritório é o pior lugar para olhar o mundo. A experiência da descida do U precisa ser vivenciada em jornadas de aprendizagem. Por meio delas, mergulha-se em uma determinada realidade, sem julgamentos, convive-se com outras pessoas de modo que a inteligência que vai brotar não é individual, mas coletiva”, destaca Cristina. “Depois de desacelerar, escutar e sentir, o próximo passo na descida do U é fazer o que chamamos de prototipar, que significa concretizar as possibilidades futuras, transformando intenções em ações. Quando a pessoa deixa de agir a partir do seu downloading, emerge um outro universo sobre o qual ela jamais tinha pensado. Assim o futuro surge a partir dela mesma”, explica Cristina.

Inscreva-se em nossa newsletter e
receba tudo em primeira mão

Conteúdos relacionados

Entre em contato
1
Posso ajudar?