Educação para Sustentabilidade

Educação para Sustentabilidade

Há um consenso cada vez maior em relação à urgência de transformar radicalmente modelos econômicos e mentais para a promoção de uma sociedade socialmente justa e sustentável. Mas como promover essa transformação? Experiências inovadoras de aprendizagem em todo o mundo indicam que, na busca de respostas a essa pergunta, os indivíduos e organizações precisam deixar de ‘fazer’ para ‘ser’ a própria mudança.
A ideia, em si, não é nova. Consagrou-se em frases que viraram bordão socioambiental como a de Mahatma Gandhi (“Seja a mudança que você quer ver no mundo”) e Margaret Mead (Nunca duvide de que um pequeno grupo de cidadãos conscientes e engajados consiga mudar o mundo”). Hoje, no entanto, essas reflexões deixaram de ter caráter meramente inspiracional para ocupar o centro de diretrizes de educação para a sustentabilidade e planejamento estratégico.
Para Maria Cristina D’Arce, coordenadora da Society for Organizational Learning (SOL), o grande problema da maior parte dos tomadores de decisão é o fato de não se sentirem parte da realidade com a qual lidam. “Contratam especialistas, consultores e promovem grandes esforços para mudar a cultura de uma organização, sem incluir-se nesse processo. Na verdade, a grande sacada seria que eles próprios mudassem para transformar todo o resto”, afirma.
Criada em 1997, a SOL deu continuidade aos trabalhos iniciados por Peter Senge no Center for Organizational Learning, instituição ligada ao Massachussetts Institute of Technology (MIT). Ao longo dos anos, formou-se em torno dela uma grande comunidade com representantes de mais de 30 países que congrega hoje as pesquisas e experiências mais inovadoras nas áreas de aprendizagem organizacional, pensamento sistêmico e sustentabilidade.
O grande fator de sucesso dos conceitos e metodologias disseminados pela SOL consiste, justamente, na capacidade de desenvolver a habilidade de estabelecer diferentes conexões na tomada de decisão.
Para atingir esse objetivo, iniciativas como o ELIAS (Emerging Leaders Innovate Across Sectors), o Team AcademyThe Natural Step, romperam definitivamente as barreiras das estruturas tradicionais de ensino, baseadas em currículos fragmentados. Além disso, os novos programas colocam o indivíduo no centro dessa transformação cultural.
Segundo Cristina, a qualidade interior do indivíduo que intervém na realidade é determinante no resultado final de qualquer ação. “Os projetos de educação devem trabalhar os modelos mentais porque a mudança depende muito das faculdades internas do indivíduo e do modo como ele olha o mundo. Essa transformação interior, no fundo, é o que realmente vai fazer diferença nos diálogos. Enquanto os líderes verem a sustentabilidade apenas como mais um business, a discussão não avançará”, ressalta.
Confira abaixo os cases de sucesso na área de educação para sustentabilidade
Emerging Leaders Innovate Across Sectors

Team Academy

The Natural Step
Natura

Fundação Getúlio Vargas

Inscreva-se em nossa newsletter e
receba tudo em primeira mão

Conteúdos relacionados

Entre em contato
1
Posso ajudar?