ArteSol promove o I Fórum Latino-Americano de Artesãos pelo Comércio Justo

ArteSol promove o I Fórum Latino-Americano de Artesãos pelo Comércio Justo

Fomentar a discussão em torno do comércio justo, seu cenário atual e as tendências nacionais e internacionais que circundam o tema. Esta é a proposta do ArteSol/Artesanato Solidário por meio da realização do I Fórum Latino-Americano de Artesãos, que acontece nos próximos dias 26, 27 e 28 de setembro, no Centro Ruth Cardoso. Tal iniciativa compõe o projeto “Empreendedorismo e Comércio Justo na Atividade Artesanal no Brasil”, promovido pela parceria entre BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e a OSCIP ArteSol.
Envolvendo 16 associações de artesãos, 3 representantes de organizações latino-americanas especialistas no tema do comércio justo, parceiros financiadores do projeto e interessados no tema, o Fórum será constituído de programação intensa, propondo a realização de oficinas, palestras e painéis de discussões, priorizando o canal aberto para a troca de experiências. Cerca de oitenta pessoas, passando por todos os públicos listados, já estão confirmadas para o evento.
Javier Flores Barrientos, presidente da Central Interregional de Artesãos do Peru (CIAP) e Vice-presidente da Rede Peruana de Comércio Justo e Consumo Ético e Carlos Moscoso, diretor da Câmara de Exportadores de La Paz e um dos principais líderes no segmento micro empresarial na Bolívia compõem o hall de debatedores do Fórum. Ana Asti, membro do Conselho Político do FACES do Brasil (plataforma brasileira de comércio justo), Fabíola Zerbini, Diretora Presidente do Instituto Kairós – Ética e Atuação Responsável e Rubén Tapia, Diretor Executivo da Rede Latino-americana de Comercialização Comunitária, também integram o time de especialistas confirmados para o evento.
A realização do Fórum constitui uma ação estratégica na formação dos artesãos, com foco na melhora da autonomia e do espírito empreendedor. Ele representará um momento onde todos poderão trocar experiências e conhecimentos, compartilhando dificuldades e sucessos. “Os objetivos centrais do Fórum envolvem o diagnóstico das influências do comércio justo na abertura de mercado para o artesanato e o estímulo à inserção dos artesãos brasileiros nas redes de comércio justo”, afirma Maria do Carmo Abreu Sodré Mineiro, presidente do Conselho Diretor do ArteSol.
O evento será aberto ao público apenas no dia 28, já que os dois primeiros dias serão dedicados à consolidação da rede dos artesãos participantes do projeto. Os interessados deverão preencher a ficha de inscrição por meio do site www.artesol.org.br e aguardar a confirmação de sua participação via e-mail mediante disponibilidade de lugares. As vagas são limitadas e o evento é gratuito.
Empreendedorismo e Comércio Justo na Atividade Artesanal no Brasil
Somando 12 anos de atuação em 98 localidades brasileiras, o ArteSol consolidou sua tecnologia social tendo o artesão como protagonista no que se refere ao desenvolvimento local. Entretanto, o acúmulo de experiência dos trabalhos em campo mostrou que a principal dificuldade enfrentada pela maioria das associações de artesãos é justamente a comercialização de seus produtos.
A fim de contribuir com a transformação dessa realidade e focando também na sustentabilidade das associações, ArteSol, BID e parceiros formaram laços pelo projeto “Empreendedorismo e Comércio Justo na Atividade Artesanal no Brasil”, que objetiva contribuir para o aumento do protagonismo de associações e cooperativas de artesãos por meio da formação de uma plataforma comercial comum, com base nos princípios do comércio justo. Por consequência, busca-se também a exploração de novos mercados consumidores, bem como a valorização e a preservação do artesanato de tradição brasileiro.
Iniciado em outubro de 2009, “o projeto já cumpriu grande parte do seu plano de trabalho, tais como visitas de diagnóstico às 16 associações, oficinas de fortalecimento institucional e consultoria solidária entre as mesmas, pesquisa e prospecção de novos mercados, desenvolvimento de material didático sobre comércio justo, e irá concluir as ações com o I Fórum Latino-Americano de Artesãos”, explica Maria do Carmo.
Programação
Data: 28 de setembro de 2010 – dia em que o evento será aberto à Imprensa e ao público em geral.
Local: Centro Ruth Cardoso – Rua Pamplona, 1005, Jardim Paulista
Horário: 9h às 17h
Parte 1 – Manhã (9h às 12h): “Comércio Justo – cenário atual e tendências”
Debatedoras: Ana Asti e Fabíola Zerbini
Tema: discussão sobre o panorama nacional e internacional do movimento do comércio justo.
Formato: diálogo entre as debatedoras aberto à intervenção do público presente. A intenção é proporcionar um ambiente sem hierarquias em que todos os presentes possam interagir e contribuir com a produção de conhecimento. Por conta da adoção de um formato mais espontâneo, de bate-papo, o conteúdo será norteado pelo tema central, porém será flexível de acordo com as demandas que surgirem ao longo da conversa.
Objetivos: 1) construir uma visão sistêmica da cadeia produção – comercialização – consumo (principalmente de artesanato) a partir da troca de conhecimento entre todos os atores participantes do fórum; 2) transmitir por meio de uma linguagem acessível os principais conceitos do comércio justo; 3) contextualizar o movimento no âmbito de políticas públicas e de práticas no mercado tanto no Brasil quanto no exterior.

Parte 2 –
Tarde (13h30 às 17h): “Comércio Justo e Empreendedorismo – experiências latino-americanas”
Debatedores: Red Latinoamericana de Comercialización Comunitária – RELACC (Amanda Mila Zúñiga Acevedo/ Equador), Associación Artesanal Boliviana “Señor de Mayo” – Asarbolsen (Carlos Moscoso/ Bolívia) e CIAP (Javier Flores/ Peru).
Tema: compartilhamento de experiências das organizações no mercado do comércio justo e o trabalho em rede desenvolvido em cada país.
Formato: diálogo entre os debatedores e posterior divisão do público em grupos para reflexões e levantamento de questões (os grupos serão estrategicamente divididos contemplando diferentes atores do processo). Cada grupo trará para a plenária suas questões, que serão comentadas pelos palestrantes estrangeiros e relacionadas com as falas das palestrantes do período da manhã. A intenção é proporcionar um aprofundamento das reflexões e fazer com que as pessoas interajam ainda mais na troca de experiências e percepções nos mini grupos.
Objetivos: 1) trocar experiências sobre a atividade artesanal em cada país (Equador, Peru, Bolívia); 2) compartilhar informações sobre o cenário do comércio justo em seu país de origem; 3) apontar as influências do movimento na abertura de mercado para o artesanato; 4) estimular a inserção dos artesãos brasileiros nas redes de comércio justo.
Noite
Às 18h, haverá uma atividade cultural de encerramento no espaço da galeria ArteSol com coquetel de abertura da exposição “Representações da Infância: Brinquedos e Brincadeiras”, em parceria com o programa Promoart – Centro Nacional do Folclore Edison Carneiro.

Mais sobre o ArteSol

O Artesanato Solidário/ArteSol –  foi concebido como um programa social no âmbito do Conselho da Comunidade Solidária em 1998, presidido pela ex-primeira dama Ruth Cardoso. Sua primeira ação foi o desenvolvimento de um projeto piloto voltado para as regiões castigadas pela seca, principalmente no Nordeste e no Norte de Minas Gerais. O trabalho que, ao longo dos anos, vem ampliando sua dimensão, hoje está fundamentalmente voltado para a população de baixa renda em regiões que demandem desenvolvimento local.
Sua missão é revitalizar e valorizar o artesanato de tradição como patrimônio cultural, promover o desenvolvimento humano e técnico dos artesãos para ampliar suas oportunidades de trabalho e geração de renda e contribuir para o desenvolvimento sustentável das localidades onde atua.
Mais informações:
Fabiana Trebilcock
(11) 3643-2797
[email protected]

Inscreva-se em nossa newsletter e
receba tudo em primeira mão

Conteúdos relacionados

Entre em contato
1
Posso ajudar?