Encontro com fornecedores discute ética nas relações do Banco Santander

Foto Santander BRCrédito: Santander Brasil

Encontro debateu a importância de cuidar das questões sociais e ambientais, além das econômicas, em suas cadeias produtivas. Da direita para a esquerda: Linda Murasawa; Marcelo Calazans; Alexandre Melara; Marcos Antonio Gulino e Cristina Fedato. Foto: Marcio Hideki Kato

O Encontro com Fornecedores 2016, realizado pelo Santander em 10 de novembro, reuniu em São Paulo, na sede do Banco, 150 participantes, entre fornecedores e funcionários do Banco. O evento abordou a importância da gestão da cadeia de suprimentos.

A proposta do encontro, que acontece anualmente, é ser um espaço para o compartilhamento de práticas que inspirem o fortalecimento de toda a cadeia de fornecedores do Banco, contribuindo para a prevenção e o monitoramento de riscos, além de ampliar o debate sobre a ética e a sustentabilidade entre os públicos de relacionamento do Santander.

A abertura foi feita pelo Superintendente Executivo de Custos, Organização e Eficiência do Santander, Jean Paulo Kambourakis. Marcelo Calazans, Superintendente de Gestão de Fornecedores, e Marcos Antonio Gulino, Superintendente de Planejamento e Controle de Gastos, apresentaram as práticas que o Santander vem implementando para aprimorar os seus processos de gestão de fornecedores. Geane Claudia Silva Oliveira, gerente de Compliance, apresentou o novo Código de Conduta Ética do Santander.

Entre os especialistas externos estiverem presentes Cristina Fedato, consultora sênior do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas, e Alexandre Plasti Melara, Gerente de Riscos, Governança e Compliance da Deloitte. Ao final, eles participaram de um painel moderado pela Superintendente Executiva de Sustentabilidade do Santander, Linda Murasawa, em que os participantes puderam fazer perguntas aos palestrantes.

Neste ano, o filósofo e professor da Universidade de São Paulo Clóvis de Barros Filho também ministrou uma palestra sobre ética. Em sua fala, ele destacou que “a ética implica na participação de todos na identificação dos princípios básicos que regerão a convivência em situações novas e desafiadoras”.

CADEIA DE VALOR DE 40 MIL PESSOAS

O Banco Santander possui atualmente 1,6 mil fornecedores de produtos e serviços. São aproximadamente 40 mil pessoas trabalhando nessa cadeia de valor.

“Isso é quase outro Santander”, disse Jean Paulo Kambourakis na abertura do encontro, fazendo uma comparação com o número de funcionários do Banco, que é de cerca de 50 mil pessoas. Isso evidencia, segundo ele, a relevância de fazer a gestão desses fornecedores de uma maneira abrangente, considerando todas as questões que podem impactar os negócios do Banco.

ACOMPANHAMENTO CONSTANTE

O Santander mantém uma estrutura de Gestão de Fornecedores e adota processos que promovem o respeito à legislação vigente, a ética e integridade nas operações e a adoção de boas práticas ambientais, trabalhistas, de direitos humanos e de combate à corrupção em sua cadeia produtiva.

Todo o processo começa na concorrência, passa pela homologação, contratação e, posteriormente, pelo monitoramento e governança da base de fornecimento. Em todas essas etapas há requisitos sociais e ambientais, além dos técnicos e de preços.




Compartilhar:

 

twitter

Parcerias